Logon

 

 

OncologiaOncologia
CardiologiaCardiologia

Câncer e Tromboembolismo

Câncer e  tromboembolismo venoso é uma complicação grave em pacientes oncológicos. Estima-se que os diversos tipos de câncer sejam responsáveis por 20% a 30% dos casos da doença. Indivíduos com câncer têm um risco até sete vezes maior de tromboembolismo quando comparados à população em geral.

O tromboembolismo venoso é uma condição médica frequente, cujas principais manifestações são a trombose venosa dos membros inferiores e a embolia pulmonar. Na trombose, o paciente desenvolve coágulos nas veias profundas das pernas; quando eles migram e se alojam nos vasos do pulmão, ocorre a chamada embolia pulmonar. Esses coágulos dificultam a circulação do sangue e geram desconforto respiratório, que pode ser intenso, chegando a causar também queda da pressão arterial e choque.

Quando isso ocorre, geralmente o tromboembolismo está associado a outras complicações que pioram o prognóstico e reduzem a qualidade de vida, podendo também gerar interrupção ou atraso no tratamento oncológico.

CÉncer-e-Tromboembolismo.jpg

Condições de Risco para Tromboembolismo

Pacientes oncológicos que fazem tratamento quimioterápico têm risco aumentando de tromboembolismo. Outras condições de risco para embolia pulmonar e trombose venosa profunda incluem:

  • Idade avançada.

  • Uso de anticoncepcionais.

  • Obesidade.

  • Imobilização.

  • Cirurgias.

  • Fraturas dos membros inferiores.

  • Tabagismo.

Relação entre Câncer e Tromboembolismo

O tipo e as características do tumor influenciam de forma variada o sistema de coagulação e a predisposição à trombose. Alguns tipos de câncer, como os de pâncreas e tumores no cérebro, acarretam maior risco. Já tumores como os de próstata e de mama têm risco menos acentuado. Além disso, tumores avançados e com metástases ocasionam maior risco do que aqueles em que o processo tumoral está restrito ao local de origem.

A hospitalização por motivos variados, como cirurgias, quimioterapia, infecções, outras complicações e procedimentos relacionados ao tratamento, também é um dos principais fatores que contribuem para o risco de tromboembolismo, devido em grande parte à imobilidade do paciente, que favorece a formação dos trombos. Por isso, em geral é indicado tratamento preventivo contra trombose com anticoagulantes em baixas doses em todos os pacientes com câncer que estejam hospitalizados, desde que não existam contraindicações.

Diagnóstico do Tromboembolismo

O ultrassom com doppler venoso é o exame de imagem mais indicado para avaliação inicial de uma suspeita de trombose venosa profunda. O exame tem boa acurácia, não requer uso de contraste, não é invasivo, pode ser realizado à beira do leito e possui baixo custo.

O Núcleo de Cardio-Oncologia do Hospital Sírio-Libanês conta com especialistas nas áreas de oncologia, cardiologia e hematologia preparados para analisar cada situação individualmente e propor a melhor opção de tratamento. Além disso, possui uma completa estrutura de internação e de diagnósticos.


Mais informações sobre o Núcleo de Cardio-Oncologia do Hospital Sírio-Libanês

  • Telefone: +55 (11) 3394-5001.

  • Horário de atendimento: de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.