Logon

 

 

OncologiaOncologia
CardiologiaCardiologia

As arritmias cardíacas em pacientes com câncer podem ser causadas por alguma doença cardíaca já existente, por efeitos diretos do tumor ou pelo tratamento oncológico. Elas também podem ser favorecidas pelo aumento dos fatores estressores relacionados ao câncer e ao tratamento da doença. Esses fatores incluem inflamação, alterações de eletrólitos, alterações endócrinas, baixa oxigenação ou alterações metabólicas.

O termo “arritmia” se refere a qualquer alteração na sequência normal de impulsos elétricos do coração que pode resultar em aceleração (taquicardia) ou redução do ritmo cardíaco (bradicardia). Quando isso acontece, o coração pode não bombear sangue adequadamente e outros órgãos, como o cérebro, os pulmões, rins, entre outros, podem não funcionar corretamente.

Parte das arritmias não tem uma causa bem definida, sendo algumas de nascença. Outras são decorrentes de problemas no músculo do coração, como infarto, insuficiência cardíaca ou doença de Chagas. Doenças nas válvulas do coração também podem desencadear arritmias. O ritmo cardíaco também pode ser afetado pelo uso de medicamentos ou por outros fatores, como disfunção da tireoide, anemia, desidratação, infecções, estresse, atividade física e ansiedade.

Arritmias-Card°acas-Relacionadas-ao-Tratamento-Oncol¢gico.jpg

Sintomas da Arritmia

Os principais sintomas causados pela arritmia são palpitações, fraqueza, tonturas, sudorese, desmaios, confusão mental, falta de ar, mal-estar e sensação de peso no peito. Porém, muitas vezes a arritmia pode ser assintomática, ou seja, não apresentar nenhum desses sinais.

Tratamento das Arritmias Causadas pelo Câncer

Para o tratamento da arritmia é necessária a correção dos desequilíbrios que estejam propiciando sua ocorrência e a utilização de antiarrítmicos. Uma vez feito o diagnóstico, deve-se considerar a possibilidade de tratamento específico e, dependendo da gravidade do caso, redução ou interrupção do tratamento por quimioterapia, decisão essa tomada em conjunto entre o oncologista e o cardiologista.

Durante a utilização desses medicamentos, sugere-se monitorização periódica do ritmo cardíaco com eletrocardiograma, Holter e outros dispositivos, principalmente para avaliação do ritmo cardíaco nos intervalos da quimioterapia. Além disso, é importante avaliar interações medicamentosas que aumentam o risco de prolongamento do uso da quimioterapia e ocorrência de arritmias.

Arritmias-Card°acas-Relacionadas-ao-Tratamento-Oncol¢gico-2.jpg


Somente com uma equipe médica multidisciplinar é possível identificar e atuar precocemente nos problemas cardiovasculares nos pacientes com câncer. O Núcleo de Cardio-Oncologia do Hospital Sírio-Libanês conta com especialistas nas áreas de oncologia, cardiologia e hematologia. Por meio da troca de informações detalhadas sobre a saúde dos pacientes, o serviço propõe ações que diminuam o risco de ocorrências cardiovasculares nos pacientes oncológicos.


Mais informações sobre o Núcleo de Cardio-Oncologia do Hospital Sírio-Libanês

Telefone: +55 (11) 3394-5001.

Horário de atendimento: de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.